As palavras dos outros e as minhas

Escrevo como sei.
Escrevo por mim.
Não porque não me emprestem palavras,
Não porque não saiba onde as extrair,
Aquelas dos grandes mestres.
Mas porque as minhas me dizem,
Todos os dias, em jeito de bofetada,
Que ainda mal as sei usar.

Paraísos de outra dimensão

Suportamos cada coisa uns dos outros, somando às dificuldades inevitáveis da vida, que somos forçados a criar paraísos noutras dimensões.

A Queda de um Ídolo

Estava convencido ser de ouro,
Valioso, esteticamente talhado e estável,
Equilibrado na beleza e no peso
Que não temia cair com o vento
Enquanto irradiava o talento
Que lhe cobria o corpo enferrujado
De um interior metálico,
Nada nobre.

Só temia ser roubado
Por outro oportunista.

Aquele dourado era uma mera capa,
Renovada pela sua loucura,
Pela ilusão do seu valor.
Afinal até o peso desaparecia
Com a acção dos dias.
Era um metal não tratado,
Impreparado para a agressão
Interna do trabalho.

Com os anos apenas restava a película dourada,
Suportada pela estrutura precária.
Com uma derradeira brisa caiu.
Só o chão o amparou
Porque era o único sem hipótese de fuga.
Ficou derrotado num estilhaço sem reparo.

No fim vieram os reconstrutores.
Trituram os restos daquele ídolo.
Transformou-se em inerte,
Agora mais útil e verdadeiro
por todos o puderem finalmente pisar.

Vídeo do poema "Amigos quase Desconhecidos" ao vivo

 

Vídeo registado durante o 1.º Poetry Slam de Leiria, realizado no Atlas Hostel em Leiria, dia 19 de Março de 2017. Poema da autoria do declamador, Micael Sousa.

Palavras sangradas

Engasguei-me com umas palavras
Que escrevi mas nunca li.
Quando as ouvi
Perdi-lhes o sentido
Pois havia passado o dia
Em que as tinha vivido.

Risco mais uma quantas letras,
Mascaradas de sentido…
…mas neutras,
Num palimpsesto digital
Como se fossem alguma
Coisa de fulcral.

Procuro registar sentimentos
Com palavras arrancadas em ferida.
De que vale este ato de mutilação?
Quanto valem as palavras sangradas?
Valem só pelo facto de existirem.
Valem sem que lhes dêem valor
Por não se ver a chaga de dor.
Valem tanta como tudo o resto:
Tudo e nada.

A Arte de ser indispensável

"A arte de ser indispensável" é o título do livro que mais me marcou sem nunca o ter lido.